• Lzzy e Joe falam sobre o novo álbum 'Vicious' e como a banda se sente sobre as críticas

    Em entrevista ao Associated Press, Lzzy Hale e Joe Hottinger falaram sobre a produção do novo álbum 'Vicious', como eles se sentem ao ler as críticas e resenhas sobre a banda e mais.

    Confira abaixo:

    NASHVILLE, TENNESSEE
    Quando o quarteto da banda Halestorm voltou ao estúdio para trabalhar em seu quarto álbum, eles já haviam jogado fora um monte de músicas que pareciam muito as que haviam gravado antes.

    Liderada pela vocalista Lzzy Hale, a banda tem lidado com os críticos há anos dizendo que eles se tornaram pop. Mas a banda não estava tentando agradar a todos, porque eles só queriam continuar evoluindo.

    "Nós estamos no nosso quarto álbum em uma grande gravadora e ganhamos um prêmio Grammy, e existe essa ideia de que se você teve sucesso, então, fica mais fácil", disse Lzzy, de 34 anos. "Realmente não, porque você colocou muito no mundo e você está tipo 'OK, o que vem depois?'"

    Seu novo álbum "Vicious", lançado dia 27 de julho, saiu de muita experimentação em um estúdio de Nashville, Tennessee, trabalhando com o aclamado produtor de rock Nick Raskulinecz, que já trabalhou com bandas como Foo Fighters e Alice in Chains. Lzzy Hale e seu irmão Arejay Hale, Joe Hottinger e Josh Smith tocam juntos há mais de 15 anos e Raskulinecz queria capturar ao máximo possível o som ao vivo.

    A banda de Pensilvânia também iniciará a segunda etapa de uma turnê com todas as bandas de rock lideradas por mulheres - incluindo In This Moment e New Year's Day - na sexta-feira em Kansas City, com paradas adicionais em Albany, Seattle e San Francisco. Uma terceira parte da turnê acabou de ser adicionada a partir de novembro.

    Lzzy Hale e Hottinger, conversaram com a Associated Press sobre como lidar com os críticos, descobrir novas inspirações e fazer turnês com outras bandas com líderes mulheres. As respostas foram editadas para maior clareza e brevidade.

    AP: Como foi no estúdio desta vez?
    Hottinger: Nós estávamos realmente tipo, "Como nós levamos esta banda para frente? Como fazemos algo interessante?" Porque parece que é realmente difícil encontrar um bom rock e algo que está forçando os limites um pouco. E (Nick) disse: "Bem, vamos começar com vocês quatro em uma sala e quem tem um riff? Vamos começar por lá".

    Hale: Ele se tornou fã de Halestorm antes de começarmos a trabalhar juntos. Então, quando nós ficamos animados com algo, ele falava, "Não, não, não. Eu vi o que vocês podem fazer ao vivo. Eu sei que você pode cantar mais forte, eu sei que você pode tocar mais rápido, que o seu irmão pode ser mais louco. Vamos juntar tudo o que faz de vocês serem quem realmente são. Vamos seguir em frente".

    AP: Existe um processo democrático para tomar decisões como uma banda?
    Hale: É interessante porque somos um quarteto há mais de 15 anos e é interessante como você se ajusta aos seus papéis. Todo mundo tem um grande respeito ao que todos trazem para a mesa. E nem todo mundo tem que se interessar pela mesma coisa.

    AP: Vocês ficam de olho nas críticas e resenhas de seus álbuns?
    Hale: Sim, mas nunca nos importamos com o que as pessoas pensam de nós. Eu acho que isso é porque crescemos, literalmente, no palco. Desde que tínhamos 13 anos, estávamos nos apresentando e toda noite as pessoas estavam nos julgando.

    Hottinger: É como se o primeiro álbum tivesse saído, ninguém realmente se importaria e a única coisa que você veria sobre nós fosse as coisas positivas porque as pessoas levariam o tempo pois estavam animadas.

    Hale: Nós sempre comentamos que algum dia as pessoas começariam a nos odiar, então conseguimos isso.

    Hottinger: Você não pode deixar todo mundo feliz e não vamos fazer isso. Eu acho que é ótimo, na verdade, quando você recebe algumas das boas críticas.

    Hale: Nós sempre fomos nossos maiores críticos e como qualquer obstáculo que está na nossa frente ou julgamento que está na nossa frente, nós geralmente o colocamos lá.

    AP: Isso parece um tema em todo o álbum, especialmente em músicas como "Uncomfortable", de não estar arrependido.
    Hale: Eu estava tentando descobrir como ficar bem em não ser a pessoa que deixa todo mundo feliz. E escrevendo um álbum e movendo esta banda para frente, especificamente para mim e meus colegas de banda e para mais ninguém. Então, isso aconteceu com muita honestidade nas letras.

    AP: Ao sair em turnê com outras bandas de rock de liderada por mulheres, você esperou mudar as percepções sobre o que os fãs do rock vão pagar para ver?
    Hale: Na metade dessa turnê, percebemos que o público não é mais de 60/40 de homem para mulher, o que geralmente é o que acontece em um show de rock. É 50/50 ou está completamente virado de cabeça para baixo. Então, estamos vendo esse tipo de mar de garotas que são como nós. Nós estamos meio que provando nessa turnê que essa música pesada é sem gênero.

    Hottinger: Você olha para a multidão e tem essas garotas que estão adotando esses momentos tradicionalmente masculinos, como momentos pesados ​​ou os gritos, e essas garotas estão amando isso. E você percebe que estes são apenas momentos de rock 'n' roll e não há gênero.

    Hale: Eu acho que o objetivo com a próxima etapa é realmente mostrar à essas garotas que este é um lugar para elas.
    Por [KEET] - sábado, agosto 18, 2018