TMDQA! realiza entrevista exclusiva com Lzzy e Joe

Antes de subir ao palco Sunset para se apresentar pela primeira vez no Rock in Rio, Lzzy Hale e Joe Hottinger receberam o TMDQA! (Tenho Mais Discos Que Amigos) no camarim para uma entrevista exclusiva sobre o novo álbum da banda 'Into The Wild Life', expectativa sobre o show que seria realizado, primeira apresentação no Brasil, possível turnê pelo país e mais.

Leia abaixo:
O Halestorm foi uma das grandes revelações do Rock In Rio para o grande público.

Enquanto fãs se aglomeravam em frente ao Palco Sunset para assistir à performance da banda, muita gente conhecia a li o vozeirão da vocalista Lzzy Hale e os riffs de guitarra do grupo.

No mesmo dia, Hale ainda participou do show do Hollywood Vampires ao tocar “Whole Lotta Love” do Led Zeppelin com Alice Cooper, Joe Perry, Johnny Depp e companhia.

Pouco antes do show do Halestorm, o TMDQA! conversou com Lzzy e o guitarrista do grupo, Joe Hottinger, e você pode ver como foi o ótimo bate papo logo abaixo.


TMDQA!: Vocês lançaram recentemente o terceiro álbum de estúdio do Halestorm, “Into the Wild Life”, e ele é bastante diferente dos anteriores. Gostaria de saber quais foram as influências e o que deixou vocês tão confortáveis para dar esse novo passo na carreira.
Lzzy: Então, nós precisávamos mudar. Nós fizemos os dois primeiros álbuns com o mesmo produtor, no mesmo estúdio, mais ou menos do mesmo jeito.

TMDQA!: Vocês gravaram o álbum em Nashville, certo? Podemos notar músicas com pegadas mais country e outras mais voltadas para o classic rock dessa vez.
Joe: Exatamente! E, dessa vez, a gente se encontrou com outros caras, pegamos outras referências. Nós também queríamos reunir a energia de um show ao vivo no novo disco, mesmo que ele não fosse ao vivo e aí falamos com o Jay Joyce, o produtor, e ele nos deu a ideia de tocarmos e gravarmos simultaneamente. Então nos reunimos num círculo e o Jay ficou no meio.
Lzzy: O que é, na verdade, muito mais difícil do que parece, porque quando tocamos separados no estúdio, você sabe, caso a gente erre, tudo bem, podemos repetir. Agora, tocar e gravar todo mundo junto é muito mais complicado. Se um se confunde, temos que gravar tudo de novo.
Joe: É, mas tinha a mágica da performance ao vivo, sabe? Então, fizemos isso e foi muito divertido.

TMDQA!: Ótimo! Dia desses eu li sobre os recordes que vocês quebraram e, bem, foram muitos, especialmente pelo fato do vocal ser feminino e dos hits que vocês conseguiram emplacar em sequência. Como você se sente, Lzzy, sendo um modelo para tantas meninas? Levando em consideração os tempos atuais e como o feminismo ganhou bastante voz e figura como um movimento forte?
Lzzy: É incrível, eu não acho que as pessoas, no início da carreira, pensem que serão referências e irão influenciar tanta gente. Mas acabou acontecendo e, para mim, é uma coisa muito gratificante. Apesar de todo o sucesso da banda, a atenção ao fato de que sou uma menina é muito legal. Vejo tantas garotas jovens indo aos nossos shows e elas têm, sei lá, entre 11 e 17 anos e é muito importante essa representatividade. Eu fui muito influenciada por homens, nunca vi uma menina tocar ao vivo até o dia no qual fui a um show do Heart, quando eu tinha 18 anos, então minhas referências sempre foram masculinas. Mas, bem, só de ter me tornado algo que eu sempre quis e sonhei e poder servir de exemplo para essas meninas é maravilhoso.

TMDQA!: Sim, inclusive o The Pretty Reckless, liderado pela Taylor Momsen, já abriu alguns shows de vocês. Isso tem a ver com o lance da representatividade? Foi algo proposital?
Lzzy: Nós conversamos muito disso. Sim, teve bastante a ver com essa necessidade, especialmente porque queremos que as meninas foquem no talento, não só na aparência. Acredite, eu amo salto alto e saias curtas, mas se você não pautar sua carreira na música em si não vai dar certo.
Joe: Foi justamente por isso que fui contratado, pela beleza!
Lzzy: Exatamente!

TMDQA: Essa é a segunda vez de vocês aqui no Brasil, certo? E a primeira no Rio de Janeiro. Como se sentem?
Lzzy: Nós tocamos aqui no Brasil, em São Paulo, há dois anos. Apenas um show. Mas é nossa primeira vez mesmo por aqui e, olha, no Rock in Rio!
Joe: Mal posso esperar!
Lzzy: Sim, falávamos disso o tempo todo!
Joe: No show em São Paulo, vimos que os fãs brasileiros são realmente incríveis, intensos. Foi uma excelente experiência. Então mal posso esperar pelo show de hoje, estamos muito felizes.

TMDQA!: E vocês pensam sobre uma turnê pelo país em breve? Algo maior? Com certeza os fãs de São Paulo e de outras cidades do Brasil ficaram na expectativa de shows solo e, bem, só teremos o Rock in Rio. Também vi que daqui a dois dias vocês já estarão tocando nos Estados Unidos de volta…
Joe: A gente já tinha fechado datas nos Estados Unidos e aí surgiu a oportunidade do Rock in Rio e é claro que não poderíamos deixar passar! Está sendo corrido, mas era imperdível. Tivemos que nos adaptar e dar um jeito, mas é claro que tocaríamos no Rock in Rio. Então, enquanto os fãs continuarem nos apoiando e nos chamando para o Brasil, teremos, sim, a intenção de voltar e fazer uma turnê propriamente dita. Estamos com um single novo, “I Am The Fire”, então temos que voltar para divulgá-lo!
Lzzy: Os fãs têm o poder. Eles podem nos fazer voltar quando quiserem.

TMDQA!: Que ótimo! E o que podemos esperar do show de hoje? Alguma surpresa? Vocês são bastante conhecidos pelas apresentações explosivas e enérgicas. Devemos estar preparados?
Lzzy: Quando nós tocamos em um festival pela primeira vez, a beleza do show é que tudo pode dar muito certo ou muito errado.

TMDQA: Ah, você sabe que será incrível!
Lzzy: Então, ainda temos aquela mesma ansiedade antes de cada show, sabe? Não exatamente nervosos, mas você enlouquece um pouco quando sobe ao palco e vê toda aquela multidão te esperando. Então, não sei exatamente o que vai acontecer, mas pra gente será incrível.
Joe: Sim, vai ser maravilhoso! Não podemos te prometer que vai ser o melhor show da sua vida e que seremos os maiores músicos que você já viu, mas, bom, será um verdadeiro show de rock e iremos oferecer tudo que podemos.

TMDQA: Então tudo pode acontecer, é isso?
Joe: Exatamente!
Lzzy: Basicamente qualquer coisa!

TMDQA: E vocês estão animados para mais algum show dessa noite? Pretendem assistir a alguma banda em especial? Hoje será especialmente interessante. Teremos o Queens of the Stone Age, o System of a Down, o Hollywood Vampires, o Deftones… Vocês são fãs de alguém que vai tocar hoje?
Lzzy: Nossa, vai ser demais!
Joe: Somos muito fãs de todo mundo por aqui. Me tornarei um espectador e fã assim que sair do nosso show!

 TMDQA!: Então vocês pretendem ficar pela Cidade do Rock e assistir ao resto das atrações?
Joe: Sim, a Lzzy vai, inclusive, cantar com os Hollywood Vampires mais tarde!
Lzzy: Ensaiamos ontem, vai ser ótimo!

TMDQA!: Demais! E, por último, qual mensagem vocês gostariam de enviar às novas bandas que ainda lutam por um espaço na indústria? Vocês fundaram a banda ainda bem novos, então devem ter algumas palavras de apoio para passar adiante!
Joe: Continuem compondo e tocando. Todos os dias. Foquem em melhorar, sejam os melhores.
Lzzy: E não desanimem se as coisas não ocorrerem logo. Escuto muito de bandas que desistem com um ou dois anos e minha dica é: persistam. Nós formamos o Halestorm oito anos antes de lançarmos o nosso primeiro disco, nunca havíamos sido abordados por uma gravadora. Então, não encanem nisso. É totalmente sobre tocar bastante e se aperfeiçoar. Todos os dias. E, é claro, não sejam babacas! Sejam legais!
Joe: Exatamente, façam com que seja simplesmente sobre a música. Sem ego. Se você realmente gostar do que faz, do ao vivo, da adrenalina do palco, de compor, de se conectar com o público… Tudo vai se encaixar. Foquem nisso.
Lzzy: Sim, o importante é ter em mente o que realmente importa.
Joe: Exatamente, a música.

 TMDQA!: Infelizmente, acho que nosso tempo acabou! Muito obrigada pela conversa! Boa sorte hoje!

Lzzy: Muito obrigada você! Mesmo.

Joe: Obrigada! Estamos animados!


 *NOTA DO EDITOR: ao ver nossa repórter vermelha e ofegante por ter atravessado toda a Cidade do Rock no Sol do Rio de Janeiro, a mais que simpática Lzzy Hale lhe ofereceu água e frutas do camarim antes da entrevista.
Entrevista por Marcella Micelli