• Lzzy Hale relembra apoio dos pais no começo do Halestorm

    Foto por Jimmy Fontaine
    Em entrevista ao site/revista australiana Heavy, Lzzy Hale conversou sobre o apoio que ela e seu irmão (Arejay), receberam de seus pais no começo do Halestorm, quando a banda ainda era um trio e contava com Roger Hale (pai) como baixista e Beth Hale (mãe) trabalhava como gerente e publicitária.

    Confira:
    "Eu tinha 13 anos quando começamos esta banda, está sendo minha primeira. Eu estive nela há mais tempo do que quando eu não tinha banda na minha vida. E é interessante, o tipo de atitude que você tem - não de uma forma de banda - mas essa visão de quando você encontra algo que é seu. Você encontra algo que pensa, 'Uau! Eu crio música. E eu entendo isso de uma maneira estranha. Mas é algo que nenhum dos meus amigos pode fazer e ninguém que eu realmente conheço pode fazer, e é algo que é meu'. Então, eu acho que nós não deixaremos ninguém tirar isso de nós sem uma briga. E nós tivemos muitos impasses…"

    Ela continua: "Nós éramos relativamente boas crianças, mas um com o outro e com essa banda, foi uma decisão de tudo ou nada desde muito cedo. E eu lembro sobre isso agora, eu penso sobre o quão louco soa. Mas é mesmo assim, nós não dissemos a ninguém para literalmente se f***, mas nós literalmente falamos: 'Você não entende. Você simplesmente não entende. E você não vai conseguir ao menos que você seja nós, e nós ainda vamos fazer isso'. Meus pobres pais receberam muitas críticas por essas coisas também, eles receberam cartas de, não apenas professores, também de familiares (da nossa família extensa), dizendo coisas como: 'Vocês estão levando seus filhos pelo caminho errado. Por que estão os apoiando nisso?'

    Lzzy acrescentou: "Meus pais recentemente me confessaram... Porque eles sempre apoiaram bastante a nossa carreira musical - eles nos ajudaram a fazer shows, nos levaram até os locais, nos ajudaram a construir equipamentos - entre outras coisas. Eles recentemente me confessaram que estavam aterrorizados - mas também me falaram 'Não, nós estávamos absolutamente aterrorizados'.

    Porque todo mundo estava certo, que isso não é uma garantia, você está mergulhando nesse negócio que, especialmente na época, não era necessariamente construído para uma garota, então [minha mãe], me disse: 'Nós estamos literalmente permitindo que você faça algo que tem o potencial de te decepcionar' , e também disse: 'Mas nós vimos isso em seus olhos. Você ia fazer de qualquer maneira. Então, nós também podemos te apoiar'.

    Eles sempre me lembravam, a cada passo do caminho: 'Olha, você sempre tem tempo para esse trabalho normal, de voltar para a faculdade e para fazer outra coisa. Mas se isso é o que você quer fazer, você deve ir com tudo e tem que descobrir como fazer isso.' 

    Sempre tivemos momentos que pensamos algo como: 'Oh, tudo bem, não deu certo'. Mas e se der certo? Então nós meio que fomos atrás daquela chance muito pequena que talvez desse certo. E meu pequeno irmão e eu temos tido muitos daqueles momentos em que falamos: 'Cara, está dando certo. Somos como uma banda de verdade. [risos]'"
    Por [KEET] - sexta-feira, julho 12, 2019