Music Radar: Lzzy escolhe seus 10 álbuns de rock essenciais

http://www.nationalrockreview.com/wp-content/gallery/halestorm-11292013/halestorm-19.jpg
Recentemente, Lzzy Hale realizou uma lista de seus 10 álbuns de rock essenciais para o site Music Radar, com comentários sobre cada álbum escolhido, a vocalista/guitarrista da banda escolheu o álbum Wildflowers de Tom Petty para o primeiro lugar, seguido por Mob Rules do Black Sabbath e Holy Diver do Dio.

Confira o Top 10 completo:
10 - Stevie Nicks - Bella Donna (1981)
 
"Eu sou uma grande fã de Fleetwood Mac, mas por alguma razão que eu não tinha descoberto Bella Donna até alguns anos atrás. É interessante como cantora e compositora, parte de uma banda, se eu fizesse algo por conta própria, soaria como Halestorm? Eu não penso assim.
Então, Stevie faz parte do Fleetwood Mac, mas ela saiu e fez um álbum que não soa como eles, mas não é isso tudo, teve uma mudança radical também. Parece uma conversa, na verdade; você tem uma noção real do que está acontecendo em sua vida.
É interessante ouvir este álbum e obter a perspectiva de uma mulher. Stevie poderia ser vulnerável, mas nem sempre. Ela estava em uma banda e queria ser um dos caras, mas ela ainda era uma mulher que queria ser amada. O álbum o atrai e fala com você."

9 - Queens of the Stone Age - Songs for the Deaf (2002)
"Basta colocá-lo e curtir. O que melhor nesse álbum é que eles fizeram disso uma total experiência. Não é um daqueles álbuns que você escolhe as melhores partes - ele todo é bom. O que também ajuda são os pequenos interlúdios entre as músicas. Você não quer parar de ouvir, porque eles amarram o álbum inteiro junto. É como os CDs costumavam ser. Recomendo-lhes a fazer isso."

8 - Alice Cooper - Love it to Death (1971)
"Eu amo Alice Cooper. Duas das minhas músicas favoritas absolutas estão no "Love It To Death": Ballad Of Dwight Fry e I'm Eighteen. Ambas são tão especiais em suas próprias maneiras. Há muito de Alice Cooper para apreciar. Eu sou uma grande fã de School's Out e No More Mr. Nice Guy, mas me lembro de me apaixonar por este álbum como uma criança, tentando cantar covers dele e apenas tocá-lo mais e mais. Um amigo me deu um box do Alice Cooper, que foi simplesmente inacreditável. Alice é uma grande inspiração. Um ícone multi talentoso."

7 - The Smashing Pumpkins - Mellon Collie and the Infinite Sadness (1995)
"É um álbum tão bonito; parece capturar todos os gostos possíveis. Eu estou constantemente espantada com o som, com a produção. Há tanta coisa para percorrer - são dois CDs completos - mas você nunca se cansa dele. Billy Corgan tem uma das vozes mais originais. Ninguém soa como ele - ninguém deve tentar. Estou constantemente à forma sobre como ele trabalha a sua voz, especialmente quando ela fica um pouco estridente. Ele sabe exatamente onde encontrar aqueles pontos doces ou agressivos, como trabalhar a dinâmica. Eu conheci esse álbum um pouco atrasada. Eu posso ser um pouco datada com minhas influências, e durante os anos 90 eu estava obcecada com Deep Purple e Black Sabbath e muita música dos meus pais. The Smashing Pumpkins, juntamente com o Soundgarden, me alcancou nos anos 90. Estávamos ouvindo este álbum no outro dia, na verdade, e não podia acreditar o quão consistentemente forte que foi. Você pode até ouvir no modo aleatório e nunca dar de cara com uma música ruim."

6 - Soundgarden - Badmotorfinger (1991)
"Esta foi a minha introdução ao Soundgarden. Meu irmão [Arejay] e eu estávamos nos estágios iniciais do Halestorm, e tentamos fazer um cover de Outshined. Eu digo 'tentamos' porque eu estava começando a aprender a tocar guitarra. Tenho certeza de que eu não era muito boa na época, mas eu me sentia como uma durona quando eu toquei, então isso é tudo o que importava. Badmotorfinger é outro álbum que me traz de volta ao passado. Lembro-me de estar no porão da casa dos meus pais, ouvindo o álbum, tentando descobrir o que uma afinação drop-C era, a coisa toda. Chris Cornell realmente lhe dá algo para ser um vocalista. Ele é tão cru e poderoso. Sua voz joga você contra a parede."

5 - Deep Purple - In Rock (1970)
"Esse é culpa do meu pai. Ele é um grande fã de Deep Purple. Quando eu tinha 15 anos, nós tínhamos recém começado a banda e estávamos conseguindo algumas pequenas apresentações. Nesse tempo, vi meu pai escutando a faixa Child In Time from In Rock, e ela me impressionou. A música tem uns 10 minutos, mas uau, é ótima. Nós ainda escrevemos uma música que e como nossa própria versão de Child In Time. Obviamente eu não tinha uma voz que subiria tanto naquele tempo, mas eu tentei. Oh, como eu tentei. [Risos] Toda vez que escuto Child In Time, ela me leva para essa época, quando a banda estava começando, é algo que sempre ficou comigo. É como o início de meu próprio sonho."

4 - Judas Priest - Sin After Sin (1977)
"Esse é outro álbum que nós homenageamos fazendo nossas músicas - Dissident Agressor. Eu amo British Steel, todos amam British Steel, mas Rob Halford está usando sua voz diferentemente em Sin After Sin. Eu me conecto mais com ele nesse. É um álbum sombrio e profundo, não tão pop como eles se tornaram no fim dos anos 70 e nos anos 80. Eu amo a melancolia deste. Tem algo muito pessoal que fala comigo."

3 - Dio - Holy Diver (1983)
"Eu tenho determinado meus gostos e influências, e Ronnie James Dio e Sabbath estão bem no topo. Nos convidaram para participar no CD em tributo a Dio, e na verdade fizemos uma música do Holy Diver, Straight Through The Heart. Que música! Esse é o primeiro álbum que eu ouvi do Dio, mesmo antes de Black Sabbath. Quando eu ouvi Holy Diver pela primeira vez, eu entrei pela porta e ouvi o álbum todo. Tem tantas músicas boas nesse álbum, e eu acho que algumas das últimas músicas são boas, se não melhores, que os singles."

2 - Black Sabbath - Mob Rules (1981)
"Eu me apaixonei pela capa primeiro – é tão ameaçadora e estranha. Mas eu posso dizer que a capa foi o que me vez ouvir o álbum. Quando foi a última vez que isso aconteceu com alguém, sabe? A faixa título é provavelmente minha favorita, mas o álbum todo tem tanta energia. Parece que Ronnie James Dio e os caras do Sabbath estavam quase dentro da cabeça uns dos outros. Eles estavam no mesmo ponto de suas vidas, eu acho. A música tem a sensação de ser jovem e imprudente, mas ainda é Sabbath. Os riffs são ótimos, o som é pesado - é raivoso, cara. É melhor você não ouvir isso enquanto dirige, porque você com certeza receberá uma multa por alta velocidade."

1 - Tom Petty - Wildflowers (1994)
"Esse é meu álbum sagrado. Eu tenho o ouvido basicamente minha vida toda. Eu poderia ouvi-lo toda hora, em todo o lugar e para sempre. É especialmente ótimo para longas viagens de avião. Eu apenas me desligo de tudo e me perco nele. Tom Petty é realmente um de nossos melhores compositores. Eu amo todo seu trabalho, mas esse álbum realmente me encanta. Toda a vez que eu o ouço, eu aprendo algo novo. Eu vou escolher algo fora do gênero e fico, ‘Oh, foi tão legal como ele fez isso. Eu preciso lembrar...' Eu meio que usei como forro de minhas próprias coisas. É uma constante fonte de inspiração."