Rock Sins: Entrevista com Josh Smith

http://pittsburghmusicmagazine.com/wp-content/uploads/2014/08/Joe-Storm-1.jpg
O site Rock Sins realizou uma entrevista com o baixista Josh Smith, durante a passagem da banda no Reino Unido. Na conversa, eles falaram sobre planos da banda, influências, algumas experiências, e juntamente com Lzzy e Joe falaram sobre restaurantes, fãs e mais.

Confira:
Uma estrela em ascensão da cena de rock americana ao longo dos últimos dois anos, o quarteto de Pensilvânia é tão grande, se não maior, deste lado do Atlântico do que na América. Atualmente em sua maior turnê pelo Reino Unido até hoje, a nossa Lisa Fox conversou com o baixista do Halestorm, Josh Smith, nos bastidores em Glasgow antes do show da banda na O2 no ABC.

Aqui é Lisa Fox de Rock Sins e eu estou aqui com Josh Smith do Halestorm. Olá, como você está?

Estou muito bem. Feliz por estar aqui.

Então, como está indo a turnê até agora?
Maravilhosa! Nós realmente só começamos. Chegamos na segunda-feira e o nosso primeiro show é terça-feira, em Newcastle, então eu acredito que este é o nosso terceiro ou quarto show, e eles foram absolutamente incríveis. Newcastle é um lugar que não tínhamos visitado muito e o próximo show é em Sheffield - ambos foram shows incríveis - e, a partir de agora, eles estão todos esgotados, então nós estamos tendo um grande momento.

Quantas vezes você já veio ao Reino Unido?
Eu diria que esta é a nossa sexta vez, talvez – algo assim – seis ou sete vezes.

Cinco, seis, sete, oito vezes?

Sim, algo assim.

Está ficando cada vez melhor?

Realmente está. Quero dizer, é cada vez melhor, e a última vez que estivemos aqui, nós tocamos no The Hydro com Alter Bridge e Shinedown, e isso foi surreal. Era um local incrível, acho que roubamos alguns dos fãs do Alter Bridge. Quero dizer, voltamos alguns meses mais tarde com clubes com lotação esgotada, o que é tão legal, é simplesmente maravilhoso. Nós estamos tendo um grande momento.

Por que você acha que Halestorm é tão popular através de uma ampla gama de fãs? Porque tem filhos jovens, pais, talvez até avós assistindo vocês!
Sim, é verdade. Nós somos como uma banda familiar, sim. Eu acho que é exatamente isso. Quero dizer, nós não somos - nós não amaldiçoamos muito, eu acho - não dizemos muitos palavrões.

Exceto a letra "Até a próxima quinta-feira" não, espera... "próxima terça-feira"! (letra original: “See you next Tuesday”)
Sim, "Até a próxima terça-feira". Quinta-feira funciona também, eu acho, não é? Mas sim, eu acho que é só isso. Quero dizer, vamos dizer algumas palavras de maldição, e mesmo que o assunto nem seja o mais adequado, mas é uma espécie de humor, uma forma que - É como quando você é uma criança, e você lembra de assistir filmes que você ama, mas, em seguida, você vai assisti-los quando estiver mais velho e então você pega todo o humor adulto que estava bem na sua frente e você não viu, é esse tipo de coisa. Então eu acho que tem algo a ver com isso, mas é muito legal ver essa idade demográfica diversa - as pessoas da nossa idade curtem, todo mundo parece gostar, e é sempre muito legal ver crianças pequenas no rock, e o fato que os seus pais se divertem muito. É como se - eu não sei - toda banda tem sua própria platéia, que atende a eles e o que eles fazem, e nossa é - sim, é como se fosse divertida, é uma boa hora, haverá alguns mosh pits, mas é familiar e ...

Mosh pits familiares.
Há um pouco para todos, você sabe. Então, sim, eu não sei exatamente o que é, mas eu acho que tem a ver com o que estamos falando e é divertido, é divertido para todos.

Eu acho que seu estilo musical é quase dois lados paralelos, porque há o lado mais pesado, mas depois há também algumas baladas à base de piano incríveis.
Absolutamente, sim.

Como é que isso aconteceu? Trata-se apenas dos estilos de música que você ama?
Sim, com certeza, nós amamos tocar rock pesado, rápido ou hard rock, ou qualquer outra coisa – mas nós realmente gostamos de baladas. Nós não nos atemos a apenas um estilo. E é tão engraçado - que estamos escrevendo para o próximo álbum, e você escreve - e quando você está olhando para a direção que o álbum irá seguir, você está apenas escrevendo para ficar animado - você escreve sobre o que te deixa animado, e algumas das músicas foram muito country ou Tom Petty, apenas o bom e velho rock, e são grandes músicas. Eu não sei se elas vão para o álbum. Talvez sim, talvez não, mas provavelmente não. Mas sim, eu acho que todos nós temos um gosto muito diversificado em música e certamente usamos nossas influências em nossas mangas.

Então, quem te inspira?
Bem, quando eu era criança, eu tocava piano, e eu sou de formação clássica - Comecei quando eu tinha sete anos - e por isso eu sempre pensei que eu era um idiota, toda semana tendo aulas de piano na casa da minha professora e então apareceu esse cara, Ben Folds do Ben Folds Five. E quando eu o ouvi, eu provavelmente estava no ensino médio e eu senti tipo "Nossa! Como isso é legal! Eu acho que isso é legal! Esse cara manda muito no piano!". Isso realmente me pegou - realmente me despertou para seguir a música e continuar a perseguir a música. E quando eu peguei o baixo, que era como um acéfalo - parecia que todo mundo precisava de um baixista. Por isso, é bom tocar os dois agora. Mas sim, por enquanto ele é um cantor e compositor tipo muito pop, mas seus álbuns anteriores eram muito crus e apenas puros. Sim, ele me inspirou muito, como um pianista jovem de qualquer maneira.

Quais são os planos para o resto do ano?
O plano é fazer um álbum, e nós tivemos nos últimos três meses de folga escrevendo, e estamos prestar a ir para casa e continuar escrevendo um pouco mais. Não houve uma turnê agendada, tem sido - "Ok, este fim de semana, você vai viajar para lá e ali, e, em seguida, naquele fim de semana que você vai para lá e lá". E temos quatro ou cinco shows por mês, talvez. Então, sim, nós estamos fazendo a coisa de um fim de semana guerreiro e é apenas uma espécie de foco no álbum. Mas isso tem sido ótimo. Quero dizer, nós estávamos tão animados para chegar até aqui. Ser um headliner é inacreditável, mas é apenas um tempo para se afastar do processo de escrita e eu acho que nós vamos se afastar e olhar um pouco mais objetivamente para isso, depois voltaremos a usar o que temos feito aqui na estrada, e fazer algumas músicas de rock.

O Metallica costumava fazer turnês chamadas "Escape From the Studio" (Uma fuga do estúdio), embora, novamente, eles levaram cerca de seis anos para escrever um álbum.
Sim, eles levam uma eternidade para escrever, felizmente, não vai demorar muito tempo, mas eles estão certos - essa é a maneira de fazê-lo. Quero dizer, não há nada para energizá-lo mais do que ir para fora e tocar em alguns shows e se divertir.

Então, o que podemos esperar dos shows ao vivo?
Nós vamos nos divertir. Estamos tocando vários de nossos dois álbuns completos. Também terá covers, e eles são sempre divertidos e essas músicas são como uma espécie de lição para nós. É como - nós escolhemos essas músicas porque algo sobre elas trabalham e golpeiam um acorde com o público. Por isso, é muito divertido. São músicas muito eficazes. E também estamos trabalhando com algumas coisas novas, por isso nós colocamos uma nova na setlist. Nós trabalhamos em três novas músicas para, possivelmente, colocá-las na set, mas neste momento ainda estamos apenas descobrindo esta música. Então vocês são como nossos assuntos de teste, todas as noites, e nós estamos apenas tentando e ver o que acontece. Mas é um grande momento. É apenas um bom e velho set de  rock 'n ' roll e deixamos nosso baterista enlouquecer por cerca de cinco minutos.

Bateristas amam isso.
Sim. Eles precisam disso, eles realmente sabem como fazer! E ele certamente precisa disso, e é simplesmente fantástico. Ele é um homem selvagem e ele fica louco. É divertido de assistir. Não fica velho, realmente não me canso de ver.

Então, vocês vão tocar o cover de Lady Gaga?
Não, nós não tocamos ela ao vivo! Nós temos tocado Get Lucky, que tem sido divertido, e eu acho que estamos um pouco inseguros nessa música. Somos como - "É estranho estarmos tocando esta música?" Mas todo mundo realmente parece gostar, por isso vamos continuar fazendo isso.

Bem, há uma cultura agora, onde os artistas de rock fazem cover das músicas que não são de seu gênero.
Sim realmente existe. Absolutamente.

Eu acho que pode ser divertido.
Sim, realmente é, e sim, que temos vindo a apreciá-la . Portanto, há um pouco de tudo e sim, estamos felizes por estar tocando ao vivo novamente.

Certo, eu preciso te perguntar uma coisa. Eu amo este programa de TV e vi que vocês foram nele, no "Bar Rescue".
Sim, sim.

Você tem que me dizer sobre isso e como isso aconteceu.
Foi tão legal. Nós estávamos escrevendo o álbum The Strange Case Of... e eles nos pediram para participar porque a filha dos proprietários era um grande fã do Halestorm. Então, ele nos chamou, perguntou se queríamos, e nós ficamos como - "Sim, isso seria fantástico". Então, nós viajamos para lá - o bar era em Cincinnati, eu acho, e sim, nós fomos de avião, chegamos lá, e foi como fazer uma gravação de vídeo. Você está no set, e quando você está no set, você está lá o dia todo, você só pode sentar e sair. Assim, acabou saindo - não contamos a ninguém - isso foi uma surpresa para a família, mas especialmente para a filha dele e tudo mais. Mas foi de uma maneira em que estávamos tocando, e por isso havia centenas de pessoas fazendo filas do lado de fora do bar, porque eles pensaram que nós estávamos fazendo um show lá, e a estação de rádio apareceu, e nossa, foi uma loucura! E eles estavam nos dizendo - "Não vá lá fora". Nós basicamente tivemos que permanecer escondido.

Então a família descobriu antes da grande revelação?
Eles ainda não tinham descoberto. Eles pensaram que todo mundo estava lá por causa de um show. Quero dizer, todo mundo estava lá por causa do Bar Rescue, e nós eramos apenas o bônus. Eles estavam filmando o show durante todo o dia, e então a nossa parte foi no final, quando chegamos no palco e tocamos, e isso aconteceu à noite. E o bar só comportava 100, 110 pessoas, e estava lotado, era muito pequeno, por isso os produtores apenas disseram para todo mundo do lado de fora por um alto-falante - "Vocês provavelmente não vão entrar no show! Nos desculpem! Obrigado por seu apoio! Vá para casa!" Nós pulamos no palco e quando abriram a cortina foi muito legal de ver a reação da família, por nós estarmos lá, e foi incrível. Tocamos a música e eles filmaram, e depois como ia pra TV, foi como - "Ok, nós temos que obter ângulos diferentes, toquem novamente", e, em seguida, tocamos novamene. Então isso foi muito estranho, é engraçado tocar a mesma música mais e mais vezes para uma multidão ao vivo. Então, depois foi tipo - "Podemos continuar a tocar?" E nós tocamos mais algumas músicas para as pessoas antes de tudo. Foi muito legal. Foi muito divertido. Espero que mais oportunidades surjam para nós como aquela. E no final da noite, o dono do bar pediu sua namorada em casamento e tudo. Foi doce, foi uma noite de diversão, foi muito legal.

Você já experimentou Nando's?
(Risos) Sim!

Quanta risada por causa do Nando’s!
Você viu que o Joe ficou todo animado olhando - igual um cão - quando você perguntou sobre o Nando's?

Nando’s é incrível.
Ele está aqui?

Está lá fora.

Joe Hottinger: Ele chegará a qualquer momento, o nosso pedido do Nando's. Sim, nós comemos Nando's por 4 noites seguidas.

É incrível como muitas bandas vem da América e eles ficam como – Nando's! Mas as pessoas aqui não sabem que ele está lá, por isso é muito engraçado.
Sim, e eu ouvi sobre isso - Eu me lembro de vê-lo há mais de um ano, mas, no ano passado, eu comecei a ficar viciado. Isso é bom.

Joe Hottinger: Eu nunca tinha experimentado antes desta viagem. Sim, foi engraçado. Lzzy deu uma entrevista, não muito tempo atrás, e eles perguntaram a ela sobre Nando's.

Lzzy Hale: Sim, eu fiz isso para - você já ouviu falar da revista  Kerrang!?

Eu conheço a Kerrang!
Lzzy Hale: Então eles fizeram este teste e eles me perguntaram o que era o Nando's, basicamente, e eu não sabia, e então eu entendi errado, e o cara entrevistando disse - "Para ser justo, ela é a única que não sabe o que é estar obcecado com o Nando's" - e eu fiquei tipo - "O que é Nando's?". Então, quando nós viemos, nós pensamos - "Temos que experimentar!"... e agora estou obcecada.

Nando's e Wagamama são os dois que a maioria das bandas parecem amar.
Sim, sim isso é bom.

Então, você tem alguma mensagem final para os fãs e leitores da Rock Sins?
Sim, estamos muito gratos por seu apoio e nos anima muito fazer shows com todos os ingressos esgotados.

Lzzy Hale: Isso.

É simplesmente inacreditável. Este foi o primeiro lugar que tocamos em Glasgow, como uma banda de abertura, e quando foi isso? 2010? A primavera de 2010? Portanto, é uma loucura - o que, três anos depois, três anos e meio, a ser a atração principal. É muito bom.

Lzzy Hale: Tem sido muito mais rápido do que nos Estados Unidos.

Sim, vocês sabem o que gostam e querem que voltem mais vezes, e nós somos muito gratos por isso, e nós vamos trazer alguma música nova para você, em breve.

Sim, os EUA tende a ficar um pouco saturado, porque há várias bandas que saem em turnês e turnês, enquanto que por aqui, é como uma novidade de cada banda que vem, portanto, qualquer que seja o tempo a banda esteve aqui, nós somos como - "Yeah! Tenho que vê-los!"
Isso é tão legal.

Você ganha lealdade dessa forma.
Absolutamente. Nos EUA é complicado demais, porque para nós, como você vai para o oeste, fica tão espalhada que normalmente as turnês começam no norte, a costa leste e centro-oeste, e então você está fazendo voltas em torno de lá, e, em seguida, uma vez que você basicamente construiu impulso suficiente, você vai para o oeste, por um longo prazo, antes de voltar, por isso é preciso tempo para construir o impulso para se mover para o oeste.

Sim, há uma grande música de Johnny Cash sobre isso.
Existe?

"I've Been Everywhere, Man" – é sobre todas as cidades e todos os lugares em que ele esteve.
Sim, absolutamente.

Legal. Eu vou terminar aqui. Eu não quero tirar você do Nando’s. Aproveitem e obrigado pelo seu tempo!