Guia Folha: Entrevista exclusiva com Lzzy Hale

Faltando uma semana para o show do Adrenaline Mob e do Halestorm em São Paulo, o Guia Folha realizou uma matéria sobre a duas bandas e ainda divulgou uma entrevista exclusiva realizada com a Lzzy Hale que comentou que o show será bem especial para o Halestorm, além de deixar uma mensagem para os fãs que estarão no Carioca Club no próximo domingo.

Confira:

As bandas norte-americanas Halestorm e Adrenaline Mob fazem apresentação única em São Paulo, no Carioca Club (zona oeste), no próximo dia 16 de junho. Os ingressos custam de R$ 160 a R$ 200 e estão à venda no site da produtora Liberation.

Considerado uma das grandes revelações mundiais, o Halestorm venceu a 55º edição do Grammy na categoria melhor performance de hard rock/metal com a música "Love Bites (So Do I)" e colhe os frutos com uma turnê bem-sucedida. "Já estávamos bem felizes com a nomeação na categoria, e quando nos chamaram no palco não sabíamos o que dizer diante de tantas pessoas. Foi um momento único e especial em nossa carreira até hoje", revelou a guitarrista e vocalista Lzzy Hale em entrevista exclusiva ao Guia Folha.

Além de Lzzy, o Halestorm é formado por Joe Hottinger (guitarra), Josh Smith (baixo) e Arejay Hale (bateria) e uma de suas músicas teve versão dedicada no seriado "Glee". "Eu nunca tinha visto um episódio do seriado 'Glee' e, pra te falar a verdade, no começo achei a versão bem estranha, pois soava muito no estilo Broadway e com muitos corais, mas eles fizeram um trabalho extraordinário e, com o tempo, me acostumei com essa nova versão. O mais legal de tudo isso é que o seriado divulgou a nossa banda e agora muitas crianças vão assistir aos nossos shows por causa da música", disse a vocalista.

Os norte-americanos vão se apresentar ao lado do Adrenaline Mob, que é formado por músicos como o baterista Mike Portnoy (ex-Dream Theater, Avenged Sevenfold) e o vocalista Russel Allen (Symphony X). O disco de estreia, "Omertá" (2012), foi bem recebido pela crítica, e seu novo trabalho, "Coverta", lançado recentemente, traz covers de grandes clássicos do hard e metal. Além de Portnoy e Allen, o Adrenaline Mob traz em sua formação Mike Orlando (guitarra) e John Moyer (baixo). A banda fez um cover para "Come Undone" do Duran Duran com a participação de Lzzy, e a vocalista disse que pretende cantar essa faixa com o Adrenaline Mob no show.

ENTREVISTA COM LZZY HALE:

Guia Folha - Vocês venceram a 55º edição do Grammy na categoria melhor performance de hard rock/metal com a música "Love Bites (So Do I)". Como foi ganhar um prêmio tão importante?
Lzzy Hale - Foi maravilhoso! Na verdade, ainda soa bem surreal para nós do Halestorm, pois não esperávamos ganhar um prêmio como o Grammy. Já estávamos bem felizes com a nomeação da banda na categoria e quando nos chamaram no palco não sabíamos o que dizer diante de tantas pessoas [risos]. Definitivamente foi um momento único e especial em nossa carreira até hoje.

Vocês vêm ao Brasil pela primeira vez para tocar ao lado do Adrenaline Mob, no Carioca Club, em São Paulo. O que esperam desta apresentação?
Este vai ser um show bastante especial para o Halestorm. Nós queríamos visitar o Brasil desde quando éramos crianças. Vai ser uma honra tocar para os melhores fãs e o melhor público de rock e metal de todo o mundo!

Você participou da versão que o Adrenaline Mob fez para "Come Undone" do Duran Duran, no disco "Omertá". Chegaram a conversar sobre uma participação no show durante essa música?
Nós estamos pensando em fazer isso no show. Vocês terão que ir ao evento e conferir, pois será único e especial.

E como foi trabalhar com o vocalista Russel Allen e o baterista Mike Portnoy, ambos do Adrenaline Mob?
São pessoas sensacionais e excelentes músicos, lendas na música, para ser sincera. Gravar no disco de estreia do Adrenaline Mob foi uma honra e, agora, fazer uma turnê com eles tem sido incrível, pois aprendo com eles o tempo todo.

Vocês iniciaram muito cedo na música, por volta de 10 a 13 anos de idade. Quando exatamente a música entrou na sua vida?
Realmente eu comecei muito cedo, mas é uma coisa que veio da família e de influências dos meus amigos que sempre gostaram de rock e metal. Às vezes eu penso como é maravilhoso estar falando com um jornalista do Brasil, por exemplo, depois de dez anos ou pouco mais de estrada ao lado de meus colegas. A vida tem dado muitas alegrias por causa da música e sou grata por isso.

Em quais bandas ou discos se inspirou na hora de começar a cantar e tocar?
Essa é difícil, mas na realidade fui bastante influenciada pelo que os meus pais escutavam em casa, talvez algo mais na linha classic rock. Sempre tive discos de Deep Purple, Black Sabbath e Led Zeppellin. Minha mãe gostava de bandas com vocal feminino, e meu pai curtia coisas mais obscuras como Blue Öyster Cult e também, é claro, o Black Sabbath. Eu sempre fui interessada em todos os gêneros de música, mas essa geração dos anos 70 e 80 é onde eu realmente me identifico e procuro inspiração para minhas músicas.

Teve alguma vocalista com a qual você se identificou mais?
Joan Jett sempre foi a minha cantora favorita, pois ela tinha muita força e garra na hora de cantar e é isso que fez com que eu me tornasse uma cantora. Eu gosto de vocalistas que têm essa atitude, e gosto de tudo o que ela gravou e cantou na carreira.

E você acredita que, quando canta com Slash, Sebastian Bach etc., muda a maneira como interpreta as composições ou se porta no palco?
Eu cresci com pôsteres destes músicos no meu quarto. Eles eram ídolos de infância e agora eu toco e sou amigo deles, isso não é incrível? Acredito que de certa forma isso influencia sim, pois acabo aprendendo coisas novas e uso no palco sempre que posso.

O Halestorm teve uma versão da música "Here's to Us" no seriado "Glee". Como foi isso para você?
Eu nunca tinha visto um episódio do seriado "Glee" e, pra te falar a verdade, no começo achei a versão bem estranha, pois soava muito no estilo Broadway e com muitos corais, mas eles fizeram um trabalho extraordinário e com o tempo acostumei com essa nova versão. O mais legal de tudo isso é que o seriado divulgou a nossa banda e agora muitas crianças vão assistir aos nossos shows por causa da música.

O último álbum do Halestorm foi "The Strange Case of...". Vocês já têm planos para um novo trabalho?
Claro, aliás, nós estamos trabalhando em novas composições neste momento. Porém, primeiro precisamos parar de fazer turnês [risos]. Nós tocamos muito por todo o mundo e isso de certa forma adia um novo lançamento. Provavelmente no ano que vem teremos algo pronto para divulgar.

Quais bandas brasileiras você conhece? Tem alguma em especial que goste?
Gosto da banda Sepultura, aliás, seus riffs e músicas me inspiraram muito durante minha carreira. Eles são uma banda seminal e de grande importância para a comunidade do metal.

Por fim, deixe um recado para os fãs que vão ao show da Halestorm no Brasil?
Obrigado pelo apoio que vocês têm dado à banda em todos os anos e se preparem para o show, pois vamos dar tudo de nós para que seja uma noite inesquecível!

Carioca Club - r. Cardeal Arcoverde, 2.899, Pinheiros, zona oeste, São Paulo, SP. Tel.: 0/xx/11/3813-8598. Domingo (16/6).: 18h. Ingr.: R$ 80 (pista meia), R$ 120 (segundo lote) e R$ 200 (camarote). Não recomendado para menores de 14 anos.