Lzzy fala sobre como é ser uma mulher no Rock 'n' Roll.

A melhor parte de ser mulher é o poder que vem com a capacidade de tocar com os meninos... mas com saltos agulha!

Lzzy Hale sempre conseguiu balançar com o melhor do rock, mantendo sua feminilidade, mas como diz nessa entrevista para o RockSource360, nem sempre é fácil. 

Leia mais nessa entrevista onde Lzzy discute como as mulheres podem criar seus próprios caminhos em um ambiente dominado pelos homens.


Claramente uma pessoa inteligente e divertida para se estar por perto, a carismática Lzzy Hale é tudo que uma mulher no Rock N' Roll deveria ser. Em cima de seus saltos agulhas, Lzzy traz o trovão para o palco e perfura o céu com seus vocais eletrizantes. Tudo isso sem deixá-lo frio! Tenho certeza que muito suor e lágrimas vieram para fazer o último álbum lançado de Halestorm "The Strange Case Of...", que foi lançado em abril de 2012. Certifique-se de pegá-los na estrada, eles certamente tem um dos melhores atos lá.

Uma entrevista de Valerie Bastien. 

Rocksource360: "The Strange Case Of..." chegou. Isso é muito excitante. O que lhe vem a mente quando você volta a pensar na composição e gravação do álbum? Qual foi a resposta dos fãs?

Lzzy Hale: Bem, pra não soar redundante, mas foi muito estranho! Haha! Foi muito desafiador e libertador ao mesmo tempo trabalhar nesse álbum. Eu descobri um monte de coisas sobre mim mesma enquanto escrevia ele, e estou tão orgulhosa do produto final. E a resposta dos fãs tem sido incrível até agora! 

Rocksource360: Ele vem fazendo muito bem nas paradas do rock, "The Strange Case Of..." subiu para o número 6 do 'top's álbuns de rock de 2012' (até agora). Você já o ouviu no rádio ainda? Conte-nos onde você estava, o que você estava fazendo naquele momento e qual foi a sua reação:

Lzzy Hale: Eu ouvi ele no rádio! Logo depois que nosso primeiro single 'Love Bites (So Do I) foi lançado, os meninos e eu estávamos indo para o nosso espaço de prática. E assim que ligamos o carro, estava tocando! Lembro-me de ter pensado: "Quem é? Eu conheço esse som." Então eu percebi que éramos nós. Os sorrisos eram tão grandes na viagem.

Rocksource360: Esse álbum foi produzido por Howard Benson, um dos favoritos na cena do Heavy Metal. O que você aprendeu ao trabalhar om um homem com tantas habilidades em seu oficio? 

Lzzy Hale: O que eu aprendi com Howard Benson e seu maravilhoso time foi nunca segurar. Me inspirei a usar o consciente e o inconsciente e todas as engrenagens da minha voz, e todos os cantos escuros da minha mente nesse disco.

Rocksource360: Quando eu li os títulos do seu álbum pela primeira vez, a música "You Call Me a Bitch Like It's a Bad Thing" me fez rir. Como esse som surgiu?

Lzzy Hale: Eu achei esse um título hilário e queria escrever uma espécie de música tirando sarro do jeito do velho mundo de usar a palavra "vadia", por que na minha geração é um elogio, e nesse novo mundo, eu sou a vadia rei, baby!

Rocksource360: Me fale de algum som que você particulamente gosta e que ainda não discutimos. 

Lzzy Hale: Bem, na versão deluxe do álbum tem uma música chamada 'I Hate it When You See Me Cry'. Essa música foi escrita em 10 minutos com uma garrafa de vinho sobre minha cama. Eu gravei ele grosseiramente no meu celular e enviei para a minha gravadora... Eles estavam tão entusiasmados com esse meu lado 'mais suave' que isso acabou inspirando o resto do lado 'Jekyll' do álbum. 

RockSource360: Eu amo a garota com a atitude vibrante em Love Bites (So Do I). Qual é o maior equívoco sobre as mulheres no heavy metal e quem é a sua modelo feminina favorita?

Lzzy Hale: Eu acho que muitas pessoas não se dão conta da coragem que é necessária para ser uma mulher no rock... Nós temos que criar nossos próprios caminhos, e fazer nossas próprias regras por que não existem nenhuma. Nós temos que ir contra tudo que a sociedade tem nos dito que devemos ser, abraçar nosso poder... E AINDA ter que manter nossa feminilidade de alguma forma! De longe minha modelo é Pat Benatar. 

Rocksource360: Eu amo a letra de "Beautiful With You". Diga-nos como essa música trata de problemas com imagem e de baixa auto-estima para as muitas meninas que lidam com isso. Como o amor próprio e a aceitação tem tanto impacto na sua vida e por que é tão importante?

Lzzy Hale: Acredite em mim. Eu não me sinto sempre uma rock star, e tem horas em que eu me olho no espelho e grito. Especialmente emocionalmente. Eu costumava esconder um monte dos meus sentimentos de insegurança e impotência, e jamais contava a alguém por que achava que seria uma fraqueza se eu fizesse. Eu quero que as pessoas vejam que não há problema em precisar de um ombro algumas vezes, e ter esses dias horríveis e deixar a sua guarda baixar. Nós somos humanos e não somos perfeitos... não deixe que esses pensamentos em sua mente controlem sua mente e te impeçam de se abrir.

Rocksourve360: Você é muito bonita e feminina num ambiente dominado por homens. Eu gosto de como você deixa seu lado feminino sair com seu estilos de roupas e seu cabelo, por exemplo. Onde você gosta de fazer comprar e como escolhe seus equipamentos para concerto? Qual é a melhor parte de ser uma mulher?

Lzzy Hale: Obrigada! Sempre foi muito importante para mim ser uma mulher f***a no palco, não uma garota tentando ser um homem. Eu faço parte da minha própria roupa, pego-as de gravação de vídeos, ou então adquiro em lojas de estranhos ao redor do mundo. A melhor parte de ser uma mulher é o poder que vem com a capacidade de tocar com os meninos... mas com saltos agulha!